quarta-feira, 5 de novembro de 2008

A História de Nós Dois

E um dia havia ela, e era um sábado pela manhã, de sol quente e céu azul. Tão grande era o céu... E olhar para o sol era como olhar para ela, era sentir ofuscar os olhos e náusea passageira, aquela vontade que parece com enjôo matinal mas que, na verdade, é ansiedade e felicidade misturadas. E tinha olhos profundos com olheiras leves, algo como quem não dormiu muito bem à noite, não exatamente uma expressão cansada, mas preguiçosamente sonolenta. Seria um olhar lânguido? Talvez, se ele soubesse o que queria dizer aquela palavra. E tinha os dentes perfeitamente alinhados e não tão brancos que parecessem saídos de propaganda de creme dental. Não. Era um sorriso verdadeiro, uma boca de onde saía a voz que parecia falar com os ventos... Ainda, era uma mistura da voz dos pássaros e brisa suave e hálito de morango bem longe da época dos morangos. Era voz de quem poderia declamar poemas ou falar um palavrão raivoso, e ainda assim tudo soaria como canto, ou como a história de nós dois. E ela era toda raios, mãos, pés, cabelos e balanço de quadril, era tudo radiantemente efusivo, algo maior do que ele poderia jamais suportar. E ainda assim, era tudo que ele havia sonhado a vida toda. E por amor se encontraram, era sábado ensolarado.

Mas o amor tem seus espinhos, que ferem como ferroada de marimbondo, deixam a marca e a dor dolorida bem funda na pele e a mágoa na alma. E feriram-se tanto que um dia ela foi embora, não queria mais ensolarar o sábado, que desde então só chove.















(inspiração branda: Dindi - Tom Jobim)


Imagem: deviantArt

PS: é uma história baseada em fatos reais, mas não é reflexo do meu momento. Só pra esclarecer, é só uma crônica...

17 comentários:

Leandro Neres disse...

Que o sol volte a ensolar para vocês...
bj

Leandro Neres disse...

*ensolarar...

Lorena disse...

Ahn? Não estou vivendo essa história, não, Leo. =P
É só uma crônica que escrevi. ;)

Letícia disse...

Ouvindo Deathly e lendo. Bonito e bem colado esse texto. Estilo texto "Esse fala por mim". A pergunta é:

- Por que amor tem essa obrigação de machucar tanto?

E outra pergunta:

- Por que alguém tem sempre que ir embora?

Se alguém tiver as respostas, me avisa por favor.

Adorei, Lorena.

Su disse...

Quando há amor, há dias ensolarados e muitos sorrisos contagiantes, e felicidade que não sabemos de onde vem...


Letícia,
se machuca, não é amor!! Quando o amor é puro, honesto e verdadeiro,não existe dor... apenas, amor... só isso!!

Agora porque alguém tem que ir embora, isso realmente eu ainda quero saber!!

Lolli,
desculpa aii responder as perguntas no seu espaço!! hehe


Beijão, Florzinha!!!

Du disse...

Pois é... o negócio é aproveitar o sol enquanto ele está brilhando, seja nos sábados ou em qualquer verão, mas aproveitar muuuuuuuiitooo, amar com todas as forças. Aí, se um dia vier a chuva, a gente deixa molhar e absorve cada gota de braços abertos. O Importante é a VIDA por trás desses sentimentos todos!
Eu acho que o amor só vai embora e faz sofrer quando não é amor, quando é só uma profunda vontade de amar de ambas ou uma das partes.
Eu sempre digo que o amor é DOIS!

"hálito de morango bem longe da época dos morangos"

A-D-O-R-E-I isso!!!

Beijo, Lô!!!

Leandro Neres disse...

Amor é só! E é dois... Para mim o Amor é, não precisa, ele vem e invade as casas e os corações... Para mim o amor não é um sentimento, ou coisa assim, ele é mais, é-ser-existente, ele age e esta ali, e quando ele vem a marca é eterna, quando dois ele cumpre sua missão de fazer eterno o dois que no amor é um... E não deveria haver sofrimento, mas há sim sacrifício, algo sempre se perde no encontro e no caminho com o amor. E como não sofrer quando o que se eternizou teve de ser rompido? Naquele espaço-tempo o o amor que era dois, eterno, foi separado e o rompimento com aquilo que era pra ser eterno sempre gera dor... E nós ficamos, vamos indo, esperando, planejando, sonhando, mas o amor continua como foi, pleno e só...
Será? =p

Lorena disse...

Se é, não sei... Só sei que estou adorando a "conversa", estava com tantas saudades disso! é muito bom voltar... =)

Na verdade concordo um pouquinho com cada um. Sei que Amor não é matéria fácil, concordo que ele é bem mais um "ente" do que um simples sentimento (como se eles fossem simples), mas sei também que a impressão que temos dele é subjetiva demais para traçarmos um perfil... Então ele é-sendo, como diria o Vidal, é eterno sim, mas pode se modificar com o tempo, e as marcas nunca nos deixam, nunca.

beijos, galera!

DrummerChick disse...

* sigh

Leandro Neres disse...

O amor é-sendo, hum... Pra mim o que é-sendo é nossa relação com o amor, que é =p... Mas o post é teu, não vou ficar viajando na maionese até mesmo pq nem criei minha teoria ainda, rs...

Leandro Neres disse...

Pousa a mão na minha testa:
Não te doas de meu silêncio:
Estou cansado de todas as palavras.
Não sabes que te amo?
Pousa a mão na minha testa:
Captarás numa palpitação inefável
O sentido da única palavra é

Amor.

Manuel Bandeira
(achei q coubesse aqui)

Letícia disse...

E coube, Leandro. Poemas são sempre de amor. Não sei quem disse isso, mas se o amor não causasse uma dor, grave ou aguda, ninguém escreveria mais poesia, o Chico Buarque teria de esquecer suas canções e a gente não viveria feito um bando de malucos tentando ser feliz. Acredito no amor bondoso que é o amor que sinto pela minha mãe. Já o amor de amante, de querer estar com alguém e viver "felizes para sempre", traz uma dose de dor. Não precisa ferir tanto, mas sempre deixa umas marcas.

Adorei a discussão.
E bom porque acabo conhecendo outras pessoas através do seu blog, Lorena.

E sobre "alguém ter de ir embora", sou a personagem que sempre fica. Deve ser Karma. Mas eu aguento e amo de novo e sempre.

Bjs para todos. =)

Camila disse...

E o amor é tema outra vez da nossa discussão. E o amor ainda será muitas vezes tema de nossa discussão. E todo mundo fala um pouco. E todo mundo ainda falará muitas vezes. E não chegamos a conclusão nenhuma, ou chegamos a várias. Porque, sim, o amor "é-sendo" e o amor "foi-sendo". Porque ele não acaba, só se renova em um outro obejeto a ser amado, ou em nós mesmos.

E eu sigo amando, até ter que mudar o objeto, e assim vou amando porque meu amor é inesgotável, seja por quem for.

Beijos pra vocês!

Lorena disse...

Sim, o poema coube e as discussões todas cabem aqui.
Amor dói porque, querendo ou não, é relação de dois ou mais. Toda relação é baseada na dualidade satisfação/sofrimento. É sempre assim, com tudo. O sentimento em sim não é ruim, mas a construção humana em volta dele sempre leva algo de negativo. E cada um sabe onde lhe dói mais.

Mas com certeza isso não deve impedir ninguém de amar. é ilusão achar que você pode ser feliz sem desprender sentimentos por alguém ou por um todo de alguéns... Amar é bom sim, e como disse a Camilinha, prefiro continuar amando sempre! =)

E AMO quando minhas postagens viram fórum de discussão. Voltem sempre! =)

Luca disse...

Fórum de discussão meeesmo!

E eu que não sei discutir o amor, senão senti-lo em grande intensidade pelo meeu amor, entendo o tom que o grande Tom deu a ti.

bjoks, Lô!

Du disse...

Viver do Amor
Chico Buarque

Pra se viver do amor
Há que esquecer o amor
Há que se amar
Sem amar
Sem prazer
E com despertador
- como um funcionário

Há que penar no amor
Pra se ganhar no amor
Há que apanhar
E sangrar
E suar
Como um trabalhador

Ai, o amor
Jamais foi um sonho
O amor, eu bem sei
Já provei
E é um veneno medonho

É por isso que se há de entender
Que o amor não é um ócio
E compreender
Que o amor não é um vício
O amor é sacrifício
O amor é sacerdócio
Amar
É iluminar a dor
- como um missionário...


(achei q coubesse aqui)[2] ^^
Beijos!

Éverton Vidal disse...

Já passei por aqui antes... Li e agora reli. Uma boa conversa sobre amor. O Neres me pediu pra falar, mas eu dessa vez vou ficar calado.

Adorei a crônica.