sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Tori Amos

Uma vez eu li uma entrevista de um grande cineasta de quem sou fã, na qual ele dizia que nem todas as idéias podem ser representadas de forma direta; as emoções são abstratas e sua representação pode nos levar a muitas interpretações diferentes. Eu às vezes assisto a um filme, leio um livro ou ouço uma música que não me faz sentido nenhum, num primeiro momento, passa despercebido ou causa estranheza. Mas chega uma hora, através de uma situação que desencadeia uma série de sentimentos que me fazem compreender, que e o que era nada passa a ser tudo. Muitas pessoas não entendem essa forma de ver as coisas, pensam que é inconstância da minha parte, ou que eu gosto de complicar as coisas por gostar de coisas complicadas. Mas não é isso. Eu só sinto de uma forma que nem sempre dá pra expressar com frases construídas e sintaxe perfeita... às vezes, eu sinto uma desconstrução e um grande amontoado de coisas desconexas. E nessas horas só me resta um remédio, uma pílula de conotivismo em forma de expressão sonora, que apesar da aparente incongruência, fala sempre o que eu preciso ouvir. É meu remédio para dias de melancolia desastrada ou solidão descabida, ou auto-piedade sem razão aparente. E ela tem nome, sobrenome e um piano-fêmea chamado Bösendorfer. E suas músicas são a grande cura para as minhas emoções sem nome.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

"And in the mist there she rides
and castles are burning in my heart
and as I twist I hold tight
and I ride to work every morning wondering why
"Sit in the chair and be good now"
and become all that they told you
The white coats enter her room
and I'm callin' my baby, callin' my baby, callin' my baby,callin'
Everybody else's girl, maybe one day she'll be her own
"

Girl - Tori Amos
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A rádio estava louca, por isso eu a removi. Quem quiser ouvir músicas da Tori clique AQUI.




9 comentários:

Francine Esqueda disse...

Ainda não conheço...
Fica a dica...
Mas as vezes também me sinto assim, como vc... penso em desconstrução e um grande amontoado de coisas desconexas...
Bjos e bom fim de semana!

meus instantes e momentos disse...

ótimo post,muito bom.
Maurizio

Mari disse...

Adoro!!
Ela é adorada pelas les.
Ela já cantou com a Ani DiFranco que é Bi assumida e faz umas músicas em que proclama seu amor pelas mulheres.
Vou ouvir!!
bjos

Lorena disse...

Mari, ela ama os gays. =)
E a música a que você se refere é Raspberry Swirl, eu acho, ela fez pra uma amiga dela. Bom, pelo menos na letra ela fala "everybody knows I'm her friend, everybody knows I'm her man..."
A música é ótima, boa pra sair dançando! =D

Não sabia que ela tinha cantado com a Ani, sério?? Que legal! Sei que ela já cantou com a Björk e fez uma turnê com a Alanis, isso eu sei...
beijos!

Camila disse...

Lores!

Já acho a Tori e a Björk a sua cara! Eu conhecia, mas não tinha o hábito de escutá-las. Hoje em dia, continuo não escutando sempre, mas às vezes lembro de escutar por influência sua (e da Letícia também).

Um beijo bem grande!!!

Helena disse...

vim deixar um beijo.
e o desejo de um bom domingo :]

e também dizer que adorei seu e-mail que que vou respondê-lo assim que terminar um trabalhinho aqui (que eu devia já estar fazendo. rs)

um beijo grande, Lorena! ;]

ah, e já guardei a Tori Amos aqui. Que ainda não a escutei com calma..

xêro
(e só para adiantar: adoooro suas palavras! - tanto que vim 'lhe buscar' quando você passou muito tempo sem me visitar! rs) :*

Letícia disse...

Já estou ouvindo, Lori. Adoro Cornflake Girl. E ouço músicas estranhas também porque sou esquisita. Já dizia a minha mãe.

Beijos.

Du disse...

Adoro Cornflake Girl [2] e todas as outras que já ouvi, Strange Little Girl! \o/

Beijoooooooooo!!!

Nati disse...

Não conheço a moça. Talves já tenha até ouvido, mas não conscientemente.
Enfim, fica a lição de casa. =]

Beijo, Lore