terça-feira, 2 de setembro de 2008

Voltei! Parte II

Foi meu primeiro congresso; antes dele, eu só tinha apresentado meus trabalhos em simpósios aqui da universidade mesmo. Então estava com grandes expectativas, achei que fosse conhecer aquelas pessoas que a gente só ouve falar dentro do meio, os "grandes especialistas" e que eles seriam grandes mesmo. Tipo quando eu conheci a Sônia Lopes, ano passado, e achei o máximo, só não pedi um autógrafo no meu livro de Biologia do 1º ano porque ele está lá na Bahia! (mas foto eu tirei) Bom, quem não é do meio científico deve morrer de rir, ou no mínimo achar muito estranho, tietagens desse tipo (como naquele último episódio da nona temporada, "The One in Barbados", quando o Ross dava autógrafos e todo mundo achava aquilo muito estranho... Isso foi para a Pri, ela é a única que vai entender, muito provavelmente), mas elas são muito comuns, acreditem. Não é nada estranho você tirar fotos com aquele grande especialista daquela tal família de Coleoptera (vulgos besouros) e coisas do tipo. Ou seria, se o Congresso fosse mais científico e menos técnico... Ou, se fosse mais "ciência pela ciência" do que "ciência aplicada".

Um dos pontos que me decepcionou nesse congresso foi justamente a pouca participação dos biólogos que estudam os insetos, em si, sua biologia, filogenia ("parentescos") e sistemática ("organização e classificação"). Tinha muita coisa lá mostrando como acabar com os insetos praga das suas lavouras, como manejar as pragas corretamente, como fazer controle biológico, químico, físico, de natalidade, população... Sei que tudo isso é importante, ainda bem que existem os agrônomos para fazerem a agricultura desse país se desenvolver cada vez mais, que bom. Mas não existe como chegar nos grandes avanços tecnológicos e em todas essas aplicações práticas sem um detalhe: o conhecimento daquilo com que você lida. E os responsáveis pelo desenvolvimento do conhecimento básico são aqueles que estudam o animalzinho, seja por curiosidade mórbida (maioria dos biólogos possuem; fato), por sede de conhecimento (idem) ou por querer ajudar de alguma forma (também). A verdade é que nossa ciência é primária para qualquer um que lide com a vida; e não é muito animador ver que é o ramo que menos investimentos recebe nesse mundo todo da Entomologia.


Eu não precisaria ir ao congresso pra saber disso, meu dia a dia já me mostra claramente que desenvolvimento de inseticidas recebem muito mais dinheiro do que coletas e identificação dos insetos. Nosso museu, apesar de ser o maior museu regional de Minas, é pequeno e mal equipado, conta com pouco pessoal, poucas bolsas de iniciação científica, poucos estagiários e pouco investimento. Talvez muitas pessoas não entendam a importância de se manter uma coleção de insetos, a importância de conservar tudo aquilo para as gerações de cientistas que ainda estão vindo... Gente, mas vocês tem noção que a gente talvez não conheça nem 10% de todas as espécies de insetos que existem? Que nós conhecemos, mais ou menos, 25% das espécies de inseto da Amazônia, apenas? E que com o número de taxonomistas (aquele que descreve as espécies) e o ritmo de descrições hoje existentes no Brasil, a gente demoraria cerca de 3.300 anos para descrever todas as espécies de insetos da Amazônia? Só os insetos... Imagina toda a biodiversidade que existe naquele lugar e só os insetos dariam todo esse trabalho! E será que ninguém percebe o quanto é importante o conhecimento na hora da preservação das espécies? Mesmo na sua utilização, da forma que seja, só poderão existir novas descobertas, grandes descobertas no campo agrário, ecológico, da saúde, tecnológico, enfim, no desenvolvimento social como um todo, se o conhecimento for preservado, mantido e, de alguma forma, financiado. E isso não acontece; ou acontece muito, muito pouco.

Eu não ia falar dessas coisas nesse post, mas acabou saindo um "post-desabafo". Pelo menos eu tenho orgulho de estar tentando trilhar o caminho da taxonomia. Muitas pessoas pintam como se fosse um bicho de sete cabeças, mas não é. É prazeroso, muito gratificante, perceber que aquele bichinho que parecia insignificante é, na verdade, algo que ninguém nunca viu antes. E a partir daí começar a dar forma e observar as características que são importantes. E pensar que, um dia, aquele seu trabalho de formiguinha, de catar informações e juntá-las todas no mesmo artigo, vai ser útil para alguém. E mais, que suas horas debruçadas em cima da lupa e do microscópico são, na verdade, a sua contribuição para o conhecimento futuro de toda a diversidade que a natureza é capaz de nos oferecer. Eu me orgulho disso e do meu primeiro "filho", o primeiro a quem dei o nome e que talvez vá receber meu sobrenome em breve. =)



Eu e meu pôster, no XXII Congresso Brasileiro de Entomologia
----------

PS: no final das contas, não tirei foto com ninguém... Eles não são tão interessantes quanto parecem; ou não são tão simpáticos como a Sônia Lopes.

11 comentários:

Su disse...

Parabéns pelo trabalho Loren!!!
Realmente o Congresso foi mto bom para vc, a sua ausência foi merecida!!
E qnto as fotos, a com a Sônia Lopes valeu!!!!!!!
Parabéns, vc é um sucesso!!!
Beijooos qrida!!

Agda Gabriel disse...

Eita moça mais dedicada. Voce segue um caminho lindo sabia. Admiravel essa sua dedicação total a carreira e aos estudos. Muito sucesso pra vc. Beijão

Leandro Neres disse...

Nossa, gostei muito de saber mais sobre tua ida ao congresso! Teu pôster ficou bonito, é o teu bichinho ali, né? Parabéns!!! Imagino que teus pais devem estar muito orgulhosos de ti, que bacana ver o resultado de tanto esforço e trabalho neste sorriso imenso e lindo aí! rsrs \o/(aquele do msn kk)
Impressionante como minha admiração e interesse pela biologia cresceram nestes últimos tempo =p
As fotos do museu eu já comentei em off, então resta me dar os:
Parabéns, novamente!
Bjos!
Leandro

Cadinho RoCo disse...

É impressionante o quanto não sabemos de tantas coisas. Parabéns por sua trajetória e siga firme por ela. O seu acreditar é maravilhoso. E o filhote vai ter sim o seu sobrenome.
Cadinho RoCo

Éverton Vidal disse...

Poxa... eu nao sei nada sobre insetos. Você bem que poderia falar sobre alguns aí pra gente né?

Que bom que existem pessoas que se preocupam com o que normalmente os outros só pensam pisar rsrsrs. (piada interna, esquece, bah, e nem é tao engraçada assim. Que idiotice... off).

Bj Lorena. gostei da foto! Parabéns e inté!

Lorena disse...

Um dia eu falo, Vidal... Se interessar, eu falo. Mas não reclame se eu empolgar demais! =P
beijos

Leandro Neres disse...

"Que bom que existem pessoas que se preocupam com o que normalmente os outros só pensam pisar rsrsrs. (piada interna, esquece, bah, e nem é tao engraçada assim. Que idiotice... off)."

Que tosco kkkkkkk

Xavier disse...

estas coisas da vida me assustam...
um abraço.

Thais disse...

Bem, vamo que vamo!!!

1. Vc ficou LINDA na foto!
2. Adoro esse episódio de Friends! \o/
3. Linda sua área de estudo! Não sabia que era assim importante!
4. Tbm quero saber mais dos insetinhos!!!!!



=*

Adriano Caroso disse...

Eu não entendi nada da parte técnica mas entendi tudo da essência. Para mim o principal é sua cara de felicidade na foto, seu sorriso de realização e, mais importante ainda, a sua volta triunfal. Embora tenha vindo pouco por aqui, senti sua falta durante o período deste congresso e confesso que não senti nenhuma falta dos estudiosos dos insetos. Outrossim ficaria com remorsos de tanto que já os exterminei. Você é muito boa com as palavras e tenho certeza é também com os insetos, com as plantas, com os animais....
Continuo republicando a Ilha. Espero que continues acompanhando. Beijos!

Du disse...

Poxa...tudo isso é muito novo pra mim! É fascinante!

Beijos, Lô!