segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Comigo, na bagagem

Acordar às 05:40 para pegar o ônibus para a capital. Oito horas em uma fila, no relento de sol e chuva. Enfrentar burburinhos, chateações, fast-food realmente fast, pra não perder o lugar e ouvir mais chateações. Duas horas dentro da casa, espremida no meio de pessoas suadas como eu, impacientes como eu, com o mesmo intuito que o meu: aproveitar um show de menos de duas horas, de uma mulher que vem aqui nesse país de quando em vez. E não, eu não estou reclamando, nem de longe me arrependo de nada disso, porque tudo valeu a pena. Tem gente que não entende porque outras gentes fazem esse tipo de coisa, e eu até entendo essas pessoas. Mas cada um encontra sua própria maneira de se divertir, de se importar com as coisas, de se sentir vivo. Uns trabalham duro, outros passam a vida atrás do sentido dela, uns escrevem, outros leem, uns cantam e outros pagam pra escutar. E ficamos todos felizes assim mesmo.

E pra mim felicidade é isso. É conhecer pessoas que cantam as mesmas coisas que você; é fazer amizade enquanto divide o papelão que serve tanto de tapete quanto de proteção pra chuva; é conhecer e conversar com pessoas que sentem prazer em seguir aqueles que admiram por aí, pelo Brasil a fora; é sentir a energia das cinco mil pessoas a sua volta focada no mesmo sentido e na mesma pessoa; é ouvir aquela música que pela primeira vez te fez pensar em algo mais adulto que seus problemas infantis, há tanto tempo atrás; é ouvir aquela outra que você conheceu meses atrás e continua dizendo tanto ao seu coração; é ver bem à sua frente a força de uma mulher que viveu situações e problemas como tantas outras mulheres, e que conseguiu transformar tudo em poesia e beleza; é se deixar envolver pela energia que emana dessa mesma mulher e que a faz (e te faz) sentir tão viva; é se emocionar, chorar, gritar, cantar, dançar, se deixar levar por todo sentimento genuíno que a música é capaz de despertar. E ainda que o resultado final seja um pé dormente de tão dolorido, litros de água perdidos pelos poros, uma inflamação na garganta, dores pelo corpo todo e cansaço sem fim, olhar para todos que te acompanharam na jornada e perceber o mesmo sorriso de satisfação em cada rosto, o brilho nos olhos e a certeza de que tudo valeu MUITO a pena.

=)

"Resilient you are
Big time you are
Ruthless you are
Precious you are"



Foto: http://programaaltofalante.uol.com.br
---


Post estilo diário, porque eu às vezes sinto vontade de contar minhas coisinhas também.

14 comentários:

Luana disse...

E eu adorei saber das tuas coisinhas também.

Eu entendi mto bem isso tudo o que tu disse. Todo mundo tem algo sublime para adorar, endeusar ou, simplesmente, amar como se as expressões dos seus sentimentos, pensamentos e vivências fossem reais e personificadas. Fã tem dessas coisas...

Eu chorei feito louca quando vi o Los Hermanos aqui, em SLS. E choraria feito uma idiota se algum dia tivesse ido a um show da Elis Regina!

Bjo, Lore!

Lívia Brito disse...

*.*
Ela esteve aqui neste final de semana, queria ter ido. Escuto o cd quase todos os dias, nem que seja uma ou outra música.

Bonito o jeito que você descreveu suas emoções. ;)

Beijos.

Su disse...

E eu adorei saber das tuas coisinhas também.[2]

E eu tenho certeza que valeu a pena sim! Enfrentar a estrada, o calor, a chuva, um monte de gente perguntando porque vc está fazendo, que é melhor assistir pela televisão (quem fala isso é pq não sabe a emoção do show!), e tantos outros bla bla blas... Mas que vale a pena, ah isso vale!!! =D

Beijos, FLor!!
ô saudade danada!!!

Mari disse...

Lore,
Te incluí no meme das mentiras....
Quero ver as suas! kkkkk
Sei que vc gosta de memes. Então, já tenho time fixo escalado: vc, Lezzie, Duda e Peh. Agora, vcs sempre receberão os meus memes!!
Revelo se vc acertou depois, tá?
bjosssssss

Letícia disse...

Desde o trecho que você usou ao texto-diário, eu me vi. Não sofri tanto, mas fiquei duas horas esperando ela começar com aquele divã e me acabei. Cantei o show inteiro e como foi bom. O talento dela é simples. E perfeito. E eu quero ir de novo. \o/

Bjs, Lori.

Amigao disse...

Deve ter sido um show e tanto pra fazer você se emocionar e refletir deste jeito.
Gosto de quando você escreve suas coisinhas. Aliás gosto de quando você escreve qualquer coisa.

Beijão do amigão!

Monday disse...

música tem esse poder mágico ... pra mim, até hoje foi inesquecível um show do Legião, Ginásio do Ibirapuera, numa sexta feira, 1988 ...

o show foi tão bom que eu cantei todas as músicas que eles tocaram, incluindo as que eu não sabia a letra ... e mesmo assim, eu cantei a letra desconhecida todinha ... advinhando sei lá como, verso após verso ...

e ganhei uma namorada uma semana depois ... mas a paquera foi toda no show ...

avise seus pés que não foi a última vez, Lori ... rsss

DrummerChick disse...

Coisinhas! Adoramos coisinhas! ^^

Own, Nenena, a gente ainda vai junta pra um show da DMB!

Du disse...

Ontem também fiz um post diário, (como você deve ter percebido), inclusive vim aqui pra agradecer o seu carinho, viu? :) Muito obrigada!

E esse seu post me fez reviver a emoção que senti no Show da Shakira, vivi exatamente as mesmas situações, sendo que havia mais de 15 mil pessoas no Show! \o/ Infelizmente não vou poder ir no Show da Alanis =/
A música faz isso com a gente, transforma nossa mente e nossos corações,e isto é maravilhoso!

Beijos, Lore querida!

Ju disse...

Lores!

O show de Fortaleza foi tranquilo. O ruim foi só o estacionamento... Mila e eu ainda tomamos um quase banho de chuva na volta!

A gente se espremeu lá na frente do palco e cantava e gritava feito adolescente! Eu me realizei! E ela cantou Not the doctor e eu me vejo! rsrs!

E estava aqui pensando que minhas férias foram meio paradas, que não curti muito e, que besteira!,eu vi a Alanis e isso é tudo!

=*

Vidal disse...

Lorena e sua defesa de loucuras de fã. kkkkkkkkkkk

Estou zuando (será)? Puxa nada é melhor do que um concerto ao vivo de uma banda ou artista que te inspira, te influencia e etc. Que bom que você se divertiu. Isso é vida.

Eu estou precisando de um show legal. O Iron vai vir aqui mas tá cara bagarai! Queria muito ir, boa ver se vai dar.

E não vamos deixar lado aquela nossa idéia. Estive desenvolvendo a idéia e logo te mando um email.

Bj.
Inté!

Mari disse...

Pior que valeu a pena mesmo...
E eu nem fiquei com dor de garganta =D

tiago.augusto disse...

Salve Alanis! o/
e é isso... cada pessoa encontra seu jeito de se sentir vivo, e o mais legal é q existem outras pessoas q compartilham do mesmo sentimento!
e é aí q vale a pena! XD

Natália disse...

Eu gosto dos seus posts-diário. Eu gosto de ler as suas coisinhas [3].
Na verdade, como disse o Amigão, eu gosto de tudo que você escreve. E nesse post você disse algo muito interessante: cada um se diverte do seu jeito, à sua maneira, e ninguém tem o direito de julgar.

Beijo, Lore