terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Esse amor todo pela natureza.

Ali do lado, na parte onde está minha descrição, você pode ler que uma das minhas paixões é a natureza, de um modo geral. Bem lógico e já esperado, já que sou uma estudante universitária, e de Biologia ainda, né? Ou não.

Há pouco tempo, precisamente durante meus 4 anos de curso, eu descobri que nem todos os estudantes universitários são assim aficionados pela mamãe Gaia. E, pior, descobri que tem muita gente que ná dá uma unha suja do dedinho pro que acontece com a nossa natureza, o que se faz ou se deixa de fazer dos recursos que ela nos oferece. Foi um choque, porque na minha inocência pueril (que palavra chique) eu sempre achei que TODAS AS PESSOAS do mundo gostavam de verde, árvore, bichos, água pura, e todas as coisas relacionadas ao tema. Porque eu sempre fui assim, apaixonada. Sempre vivi no meio de pessoas apaixonadas pela natureza, preocupados com o bem-estar do mundo. Não que sejamos exemplo de "família verde", fazendo tudo certinho, os politicamente corretos. Mas me ensinaram desde que me entendo por gente que não se deve jogar lixo no chão, não se deve maltratar animais, a não desperdiçar a água e não poluir a mesma, nada de cortar árvores ou mesmo arrancar um monte de folhinhas (nem mesmo pra brincar que elas eram dinheirinho), não amontoar lixo para não proliferar doenças, essas coisas teoricamente básicas. E eis que, quando me jogam no mundo, eu vejo um quadro realmente catastrófico. Coisas básicas, pequenas, que as pessoas não fazem e que melhoraria a vida de todo mundo.

Um exemplo é o que acontece na cidade em que meus pais ainda moram, no interior da Bahia. Ninguém sabe por que cargas d'água as pessoas não conseguem deixar as árvores crescerem em paz. Basta ficar um pouco mais frondosa, verdinha e bonita, para um carro da Prefeitura chegar todo cheio de "poder" com uma serra-elétrica, e transformar a coitada num monte de lenha. De uma hora pra outra, aquela rua outrora toda sombreada, passa a ser um caminho no meio do deserto do Saara, sem nem um lugarzinho onde você possa se proteger do sol. E eu pergunto: pra quê? Não se sabe. A prefeitura manda, os brutos obedecem e a população não reclama. A não ser meu pai, que já cansou de bater boca com os donos das serras-elétricas, com as autoridades, com a mulher e as filhas dentro de casa, pra ver se alguém explica o porque da "verdeficina". Ninguém explica e lá fica por isso mesmo. Não respeitam nem o verde das ruas, como vão respeitar os dos "restos vegetacionais" que ainda existem nos enormes latifúndios, fora da cidade? Claro que não, a não ser que seja verde de eucalipto, aí tudo bem. E a gente observa sem poder fazer muita coisa.

Outro exemplo, agora aqui mesmo onde eu moro. Aliás, dentro da universidade em que eu estudo. Na nossa universidade existe um complexo grande de lagoas (acho que são umas 5, no total) alimentadas por dois rios que abastecem a cidade. São lagoas grandes e bonitas, e já bastante emblemáticas da instituição. As pessoas podem pensar que, por estarem dentro de uma instituição de ensino, essas lagoas são bem preservadas. É? Pois pasmem: a água da universidade é jogada diretamente nas lagoas, SEM TRATAMENTO PRÉVIO. E eu me refiro a água usada nos departamentos, no restaurante, nos laboratórios... Laboratórios que consomem grandes quantidades de substâncias tóxicas. Pois é. A fauna das lagos já virou até motivo de piada interna, todo mundo aposta que tipos de peixes mutantes não são encontrados por lá. Fora piadas do tipo "quer se suicidar? bebe um copo de água da lagoa". Humor negro, na verdade não é engraçado, é triste. E por que uma universidade que abriga cursos de Biologia, Engenharia Ambiental e Engenharia Florestal não dá um jeito nisso? Booooa pergunta: eu não sei.

Talvez continue sendo ingenuidade minha, mas acho que cuidar um pouco mais daquilo que o mundo nos oferece, gratuitamente, não custa pra ninguém. Cada um fazendo a sua parte, a história do beija-flor com água no bico mesmo. Afinal, "o Senhor Deus tomou o homem e colocou-o no jardim do Éden para cultivá-lo e guardá-lo." (Gen. 2, 15) não para transformar esse jardim num selva de pedras sem vida. É responsabilidade nossa que seja assim, porque o jardim está sob nossa guarda. E é nossa responsabilidade se algo acontecer a ele também. Então arregacemos as mangas e mãos à obra!

PS: sobre o post passado, eu acretei 8 previsões das 15 que eu fiz. Boa média ou não? =)

3 comentários:

Bruna disse...

Hey maninha, eu tava vendo o Oscar e lembrando das tuas "previsões".
Achei meio chatinho sim, mas adorei as edições que contemplavam todos os ganhadores de cada categoria! Foi muito fofo "lembrar" de Oscar's que eu nunca vi.
Sobre o filme, eu não achei confuso não. A única coisa que achei meio estranha foi o "final do futuro", quando Shibalba explode e ele sai daquela "bolha" com a árvore, sabe? Não entendi direito o que aconteceu, depois dele terminar o livro sabe. Achei meio vago, mas é porque é muito filosófico! hehehe
Mas adorei mesmo a história de Shibalba e a mensagem, e ele ter plantado a árvore no túmulo dela.. :~~
Tá, vamos ao post! (agora nossos e-mails viraram comentários públicos? hahaha)
Eu sempre tive uma ligação especial com a natureza, deve ser porque fui criada no meio dela (leia-se chácara). Sempre tive muito respeito, e uma das minhas maiores brigas com qualquer pessoa aqui de casa ou não é sobre jogar lixo na rua. Porque as pessoas fazem isso com uma facilidade e naturalidade que não dá pra acreditar. Esses dias mesmo comentei com minha mãe que as enchentes (de SP, eu acho) são muito decorrentes dos bueiros entupidos de lixos das ruas. Sabe, a rua é nossa, a cidade é nossa, o mundo é nossa casa também. Assim como varremos o chão e gostamos de ver tudo limpo dentro de casa, acho que no mínimo podemos pensar da porta pra fora assim também. E as árvores, também não entendo.. aqui na praia o meio do canteiro era cheio de pinheiros, era clássico da avenida sabe? Aí a prefeitura tirou todos também.. sem dó nem piedade, arrancou todos os pinheiros que estavam aqui há anos e anos! Além de tudo, tirou a sombra!
Mas eu sei que não sou o exemplo a ser seguido de proteção à natureza.. pelo menos faço um pouco! hehehe
Beeeeijos!

Éverton Vidal disse...

Penso que uma das categorias do significado original da palavra 'pecado' quer dizer separaçao humana da relaçao com a natureza... infelizmente... Quanta destruiçao!

Mas que bom que existem pessoas como vc... Sou um apaixonado pelo verde também!

Ah... tem um selinho pra vc lá no meu blog.

Bj!

tiago.augusto disse...

hey! o/
olha só, essa semana mesmo tava falando cocê da Arrocha =P
e vc vem com um post "ambiental"...
na verdade, agora q eu vi o post, e no momento vc deve tá no meio do mato pegando bichinho (e eu aqui ¬¬')

lembrei da bagunça dos sem-terra no gramado do dce: isso não vale!! =D
huahauahuahauha

bjo. o/