quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Once

"Raise your hopeful voice you had a choice
You've made it now
Falling slowly sing your melody
I'll sing along"


Eu ouço música. O tempo todo. E costumo cantar junto também, desde que me entendo por gente é esse o meu processo: escuto e canto junto. Eu me lembro de uma fita cassete que existia jogada em um canto da casa da minha avó, na qual me gravaram cantando com dois anos de idade. Era a música da abertura do programa da Xuxa, eu cantava com sotaque de bebê e quando todo mundo batia palmas eu começava a chorar. A fita sumiu mas a mania de cantar não, e também não sumiu a timidez de cantar em público. Mas como meu chuveiro não tem nada de público, eu me esbaldo. Canto mesmo, e alto, se os vizinhos escutam eu nunca fiquei sabendo. Mas mais do que cantar, ouvir música, estar rodeada por sons, é algo quase religioso pra mim. Eu sempre me surpreendo com pessoas que dizem não ligar pra música, ou mesmo que não gostam, acho tão estranho! Pra mim é como se alguém que não tem as orelhas dissesse que não sente falta delas (sendo que elas são úteis nem que seja para segurar os óculos escuros).

"Music is my healer". Eu não sei onde ouvi isso, onde li, devo ter lido porque eu vivo lendo coisas, mas achei a frase a minha descrição. Música realmente é minha cura, e não só a cura psicológica que a gente busca na letra romântica, nos dias de dor de cotovelo. Eu uso música até pra curar cólica e dor de cabeça, e sempre dá certo. Não existe diclofenaco mais potente que certas melodias acompanhadas de vozes que são uma benção ao órgão dolorido do momento. Claro que sempre o mais beneficiado é o coração, acho até que para isso é que as músicas existem; para curar o coração de quem escreve ou o de quem ouve, ou de ambos. E hoje estou musical porque assisti a um filme que é todo música. E é irlandês, o que o torna um presente especialmente para o coração. Chama-se "Apenas Uma Vez". E não é um musical, mas me deixou com melodias saindo de todos os poros e aquela sensação de alívio de alma que eu sempre experimento quando meus ouvidos captam algo que eu considero um verdadeiro "elixir sonoro". Eu recomendo, para todo tipo de mal.



12 comentários:

Leandro Neres disse...

Eu também uso da música, rs... Não vivo sem, fiquei curioso sobre o filme...
bjs

Letícia disse...

Eu preciso ver porque adoro irlandeses, vou roubar o Damien Rice pra mim e o Bono também e a Dolores e a Sinéad. Sabe que a gente se parece até nisso? Eu me curo com música. Estou sempre ouvindo e canto junto ou então fico prestando atenção e sofro Epifanias Intermitentes. Acabo de ter uma. Lori, queria ser sua amiga e morar vizinho.

Love u. =)

Amigao disse...

Eu mesmo poderia ter escrito este post, pois me encontrei ai certinho. Eu canto muito,vivo cantando e olha que eu gosto de tudo.
Sabe, sempre que tem uma coisa me preocupando eu começo a cantar qualquer coisa e a preocupação acaba. A musica lava, limpa tudo.
E "quem canta seus males espanta" é um ditado tão velho, mas tão verdadeiro.

Beijão do amigão

DrummerChick disse...

Eu me sinto só e desamparada sem ruído. Não suporto silêncio. Agora mesmo estou blogando e ouvindo a 4a temporada de Friends ("We were on a BREEEEAAAK!!!"), veja só!

E sobre música, bem... ritmo é a alma da vida, fazer o quê? XD

Esse cara do filme num lembra Hugh Laurie?

disse...

Adoro musica, ela me acalma, quando fazendo meus estudos biblicos tenho que refletir com ela, mas desde que seja bem baixinho, muito alto me atrapalha um pouco. Mas não vivo sem.
Dica ótima vou ver se consegui por aqui.
Beijos minha linda!

Ju disse...

Música pra tudo. Sim, Lores. É o colorido do quadro de nossas vidas.

Eu lembro os momentos e lembro a música que eu ouvia na época. Não sou de cantar, mas escuto o tempo todo. E escuto tudo. Sou curiosa mesmo, mas tenho minhas preferências.

E acho também que música ajuda a melhorar nossos males e nossas dores.

Quanto ao filme, se você tá recomendando, vai pra minha lista! :)

Bjo bjo!

Du disse...

"Não existe diclofenaco mais potente que certas melodias acompanhadas de vozes que são uma benção ao órgão dolorido do momento..."

Fazia tempo que eu não lia uma frase tão perfeita para o que sinto em relação à música!
A música para mim, é como a respiração, tão importante quanto!

E esse filme deve ser muito bom! Vou ver se lembro de assistir!

Beijão, querida Lore!

tiago.augusto disse...

*curioso pra ver o filme*

a música pode ajudar nas cólicas e dores de cabeça, mas ainda não resolveu minha rinite... acho q é por conta dos meus espirros, q são mais altos q a música... hahahaha

Garotas Nada Vazias disse...

Eu adorei este filme!Inclusive, o casal está mais unido ainda na banda The Swell Season. Música de ótima qualidade, principalmente para quem ama o estilo mais "rrrrrrromance"...Disponível no myspace.com/theswellseason

Fabiana disse...

Ei Lorena!
Sem música a vida não teria sentido mesmo, já dizia Nietzsche.
Eu também tenho que cantar junto. Até hoje sou frustada por não ter feito aula de canto, não tocar violão e não ter uma banda. Mas não desisti ainda!rs
Sinto o mesmo que a Letícia: queria ser tua amiga de muito tempo.
Ah, PARABÉNS pela formatura...meio atrasada!
Boa semana e beijos!!!

PS: post ao som de "Dreaming my dreams", Cranberries.

Fabiana disse...

Ah, adoro quando você põe música no blogue!! :)

Natália disse...

Deu vontade de assistir esse filme pelo bannerzinho que você postou.
E eu concordo em gênero, número e grau sobre a questão da música. Também não consigo conceber alguém que não goste de música, que não ouça música desde o momento em que acorda, como eu.

Música me inspira e (também) me cura.

Um beijo, Lore